05 agosto, 2015

Navegações


Tenho saudade, a tempo inteiro. E tenho vontade de conversar contigo, a tempo inteiro. É como se tivesses tornado na minha nova droga e existisse a necessidade de me injetares mais umas quantas doses de palavras para ver se esta ansiedade desaparece só por instantes.
Eu já tomei a iniciativa de tentar esquecer-te, já tomei a iniciativa de tentar não pensar demasiado no assunto. Até já tomei a iniciativa de tentar apenas não conversar, qualquer coisa. Eu tomei iniciativa de tudo... E nada, mas nada, resulta. Aff, difícil. Tornou-se num desafio, simplesmente um conjunto de ondas que me derrubam constantemente. Sempre que vou à superfície, nunca sei realmente onde estou, em quantos passos vou. Se estou mais à terra, ou mais a mar. Medos e receios circulam à minha volta. Fantasmas do passado perseguem e fazem-me sempre querer recuar e evitar a mágoa. Mas como também não sei se posso ter sorte, posso também acabar por estar a deixar para trás bons momentos, se calhar boas e futuras memórias. Não sei o que fazer, não sei mesmo. Estou perdida. Sentimentos, complicado de se lidar e só me faz desejar os tempos de criança. Em que só tinha reconhecimento de sentimentos básicos. Saudade. 

4 comentários:

Pedro Sampaio disse...

No início é sempre complicado algo assim. Mas sabes, por vezes somos mais fortes em deixar algo ir do que propriamente manter. Força :)

Ísis disse...

Espero que esse sentimento se vá dissipando e que vá doendo cada vez menos.

Paulo Silva disse...

Oh como sei o que isso é.
Parece que estamos vazios, sem sequer chão onde cair.
Perdidos, perdidos no tempo, no espaço, em nós.
Mas força!

Marisa Maria disse...

Estou numa fase parecida